5ª avenida – Os melhores blogs de moda, beleza em um só site

A mulher venceu a guerra dos sexos

Charlô é uma mulher poderosa. Pilota aviões, salta de paraquedas, diverte-se com namorados vários e defende o avanço feminino no mercado de trabalho. Otávio é conservador, autoritário e mal-humorado – além de machista incorrigível. Em 1983, Charlô e Otávio, interpretados por Fernanda Montenegro e Paulo Autran, se enfrentavam na novela Guerra dos sexos. Quase 30 anos depois, o embate volta à TV, numa novela com o mesmo nome, com Irene Ravache e Tony Ramos nos papéis de Charlô II e Otávio II, sobrinhos do antigo casal. O autor, Silvio de Abreu, não quis fazer uma adaptação. Trata-se, segundo ele, de outra novela. A escolha do escritor – partir do zero e escrever um texto novo para tratar do tema antigo – confirma um fenômeno observável na economia, na política, nos costumes. Se ainda há uma guerra dos sexos em andamento, ela não segue o roteiro conhecido até o início deste século. Estamos em território completamente diferente. E francamente favorável a elas. Pelo menos no mundo ocidental.

“Os homens estão há 400 anos dominando. As mulheres começaram a aparecer há 40 – ainda têm muito chão para andar, mas estão indo rápido”, diz a jornalista americana Hanna Rosin, autora de The end of men (O fim dos homens, ainda sem tradução no Brasil). Hanna é editora da revista The Atlantic e faz coberturas de fôlego sobre sexualidade, relacionamentos e sociedade. No livro, ela relaciona avanços femininos em diversas frentes para concluir que a guerra dos sexos acabou – e elas venceram.
No século XX, havia inimigos bem claros diante das mulheres e dos homens que lutavam por igualdade de direitos e oportunidades para os dois sexos. Em casa, nos lares sustentados principalmente por homens, elas tinham pouco ou nenhum poder de decisão. No trabalho, discriminar e abusar delas demorou a ser considerado crime. Na universidade, elas eram minoria. O número de filhos por mulher era mais que o dobro do atual. Ao longo das décadas em que esses problemas foram gradualmente reduzidos (sempre mais lentamente do que seria o ideal), as mulheres passaram a ocupar maior espaço no mercado de trabalho, mas sem se aproximar da posição dominante. Os homens continuavam com a maior parte dos empregos, os melhores postos, a chefia dos lares e, mais importante, as expectativas mais ambiciosas do que elas poderiam ter. Tudo isso ficou para trás.

Veja mais em Época

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 09/10/2012 por em Beleza, Saúde e marcado , .